Vida Eterna

Artigo principal: Vida Divina e Vida Eterna
Relacionado: Novo Nascimento ; Vida Divina
 
Vida Eterna. O termo “vida eterna” é comumente traduzido como “vida para sempre” ou “vida eterna”. A palavra “eterno” não define a duração da vida, mas define o caráter da vida. Não poderia ser a idéia de “viver para sempre”, porque mesmo os não salvos vivem para sempre no fogo eterno. É uma vida de amor, santidade, paz e alegria. Acima de tudo, a vida eterna é caracterizada pela comunhão com o Pai e o Filho pelo Espírito Santo; “E esta é a vida eterna, para que te conheçam o único Deus verdadeiro, e Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17: 3). A vida eterna é o caráter mais elevado da vida que alguém pode conhecer, porque é a mesma vida que o Pai e o Filho desfrutam juntos (1 João 1: 3), e que existiram de eternidade a eternidade (João 1: 2). Em Sua inefável graça, Deus em Seus conselhos eternos propôs que essa comunhão do Pai e do Filho fosse compartilhada com os filhos dos homens! Leia João 14: 18-20. Somos trazidos a essa comunhão pelo dom da vida eterna . Nas escrituras, a vida eterna é contrastada com um novo nascimento . Nos tempos do Antigo Testamento, Deus transmitiu a vida Divina através do Novo nascimento, mas a vida Eterna – um caráter mais elevado da vida Divina – só foi possível após a cruz, após a ressurreição e depois que o Espírito de Deus foi enviado. 
 
“Nele e em você”. O apóstolo João escreve sobre a vida eterna que se manifestou na Pessoa de Cristo na terra:
“O que era desde o princípio, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida (porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai e nos foi manifestada), o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo”. 1 Jo:1:1-3
Deus, disposto a se tornar conhecido como Pai, enviou o Filho ao mundo. Aqui abaixo, o Filho tornou o Pai perfeitamente conhecido. Por esse motivo, ele é chamado de “Palavra de Deus”, porque é a expressão de quem Deus é. João disse sobre a Pessoa do Filho: “Nele estava a vida”. João e os outros apóstolos haviam observado o Senhor caminhando por esse caminho, e viram um homem vivendo um estilo de vida que estava além de qualquer coisa já antes vista. Foi uma vida de amor, santidade, paz e alegria; vivia no poder do Espírito de Deus e cheio do gozo consciente da presença do Pai. Os apóstolos haviam “ouvido”, “visto” e realmente “tratado” a Pessoa de Jesus, que era a manifestação perfeita, ou “Palavra” da Vida. Mas então, conhecendo o Senhor e desfrutando da comunhão com Ele, eles puderam participar dessa comunhão especial. Era “fora deste mundo” quanto ao seu caráter; portanto chamada vida “eterna”. João nos escreve que podemos compartilhar o gozo dessa comunhão com o Pai, o Filho e todas as outras crianças da Família de Deus, e que nossa alegria pode ser plena. No capítulo 2, João diz que essa “coisa” é “verdadeira nele e em você” (1 João 2: 8). Agora compartilhamos a mesma vida eterna! O Filho “é vida eterna” em Sua Pessoa (1 João 5:20) e, portanto, “aquele que tem o Filho tem vida” (1 João 5:12). Cristo tem essa vida intrinsecamente em Sua Pessoa, nós a temos em um sentido derivado.
 
A Necessidade de Vida Eterna. O terceiro capítulo de João retoma a necessidade do homem, não apenas pelo novo nascimento, mas também pela vida eterna. O homem realmente não viveu até que tenha recebido a vida eterna. Em João 3:12, o Senhor disse que estava falando de “coisas terrenas” quando falou de novo nascimento. Era necessário um novo nascimento para a restauração terrena de Israel, e estava contida na profecia do Antigo Testamento (Jer. 31:33; Ezequiel. 11:19; 36: 24-32; Os. 6: 2; e Isa. 44: 2 -3, etc.). Jesus continuou dizendo que havia sido enviado pelo Pai para revelar bênçãos celestiais nunca conhecidas no Antigo Testamento. Ele continuou explicando que essas “coisas celestiais” (referidas como “vida eterna”) seriam dadas a quem cresse no “unigênito” Filho de Deus. É realmente a posse da vida eterna que dá ao crente a certeza de que seus pecados se foram e o coloca em comunhão com o Pai e o Filho pelo Espírito de Deus que habita em nós. Tudo é baseado no Filho do homem “levantado” na morte na cruz. Em João 14: 18-20, descobrimos que a comunicação da vida ressuscitada de Cristo ao crente é necessária para termos comunhão com Ele (não ser deixados como “órfãos”) no tempo da ausência de Jesus.
 
Vida da Ressurreição, ou Vida Abundante, ou Vida no Filho. A morte e ressurreição de Cristo é o que tornou possível a vida eterna. Esta vida não é totalmente diferente da que temos pelo novo nascimento. Pode ser pensado como uma “vida aprimorada”. Semelhante à atualização de software da versão 1.0 para a 2.0, a vida eterna tem todas as características da vida divina, mas muito, muito mais. Os discípulos receberam essa vida no dia da ressurreição (João 20:22), e, portanto, chamamos isso de “Vida  Ressurreta”.1 Esta vida é do mais alto caráter.2 Está além do túmulo e nunca pode ser tocado pelo pecado ou pela morte. João se referiu a ela como “vida no Filho” (1 João 5:11). É chamado “Vida Abundante” em João 10:10, onde o aspecto enfatizado é a plenitude de nosso desfrute de suas características e relações do outro lado da morte.
 
A vida eterna para o crente é compartilhar a própria vida do Filho de Deus, gozar de comunhão com Ele e com o Pai, entender as coisas de Deus e andar no desfrute de tudo isso no poder do Espírito Santo.
A vida eterna para o crente é compartilhar a própria vida do Filho de Deus, gozar de comunhão com Ele e com o Pai, entender as coisas de Deus e andar no desfrute de tudo isso no poder do Espírito Santo.
Vida eterna nos escritos joaninos e paulinos. Existem algumas diferenças entre a vida eterna no ministério de João e o ministério de Paulo. Uma é que João mostra o caráter da vida em si (“no Filho”), enquanto Paulo está ocupado com a posição do crente, o lugar onde temos essa vida (“em Cristo”). Outra diferença é que João sempre se refere à vida eterna como algo que o crente possui agora na terra. Muitas vezes, John dirá; tal e tal pessoa “tem vida eterna” , presente. Paulo costuma apresentar isso como uma coisa futura a ser desfrutada no céu; e ele dirá “até a vida eterna”, tempo futuro.
 
Os Aspectos Presente e Futuro da Vida Eterna. Quando a vida eterna é vista como uma possessão presente (geralmente nos escritos de João), é algo que desfrutamos agora pelo Espírito Santo, e não pode ser tirado (João 10:28). Quando a vida eterna é encarada como uma possessão futura (geralmente nos escritos de Paulo), é algo que desfrutaremos quando chegarmos ao céu . Ambos são verdadeiros! Uma boa ilustração foi dada para esses dois aspectos diferentes. Nos velhos tempos do mergulho em alto mar, um mergulhador usava um capacete de ferro conectado a um suprimento de ar na superfície por uma mangueira forte. Uma bomba fluiria ar fresco da superfície para onde o mergulhador estava, talvez centenas de metros debaixo d’água. O mergulhador retrata o cristão em nossa vida atual na terra. O ar no capacete é como a vida eterna como uma possessão presente . O cristão segue uma palavra maligna, mas ainda pode gozar a vida eterna porque está conectado à nave mãe. Se ele não permanecer conectado, ele começará a desaparecer. Nota lateral: é por isso que precisamos “permanecer na videira” (João 15). Quando o mergulhador volta à superfície, ele tira o capacete de ferro e é recebido por uma rajada de ar fresco! Esse ar é como a vida eterna como possessão futura. É o mesmo ar que o mergulhador estava respirando quando estava submerso, mas agora ele está respirando seu ambiente nativo! O mesmo é verdade para nós; agora desfrutamos a vida eterna em certa medida, mas logo em sua plenitude quando estamos com o Senhor!
 
Uma planta (“Uma natureza”) com o Filho. Antes que o Senhor morresse e ressuscitasse, Ele permaneceu sozinho. Os discípulos “nasceram de novo” antes que o Senhor morresse e ressuscitasse (João 13:10), mas diz que Ele “ficou sozinho”. Isso mostra que a vida que temos pelo Novo Nascimento não é exatamente “vida no Filho”. Por causa disso, os discípulos não formaram “uma planta” com Cristo antes da ressurreição, nem os santos do Antigo Testamento. Vida eterna ou ressurreição é o que nos torna “uma planta” com o Filho. Somos todos “um tipo”; isto é, temos essencialmente a mesma vida que Cristo. Ao ressuscitar dos mortos, Cristo, como primogênito, tornou-se o princípio da criação de Deus (Ap 3:14). A semente de trigo, tendo caído no chão na morte, brotou novamente no poder incomparável da ressurreição e produziu “muitos frutos”. Os grãos de trigo (cristãos individuais) têm a mesma vida que o caule ressuscitado. Hebreus, olha para isso  como algo futuro, diz “somos todos da mesma natureza ” e fala de Jesus como “levando muitos filhos à glória”. Ele é o chefe de uma nova criação . Um exemplo de “unidade de natureza (espécie)” pode estar em Gênesis 1: 21-25, onde Eva era a única criatura de quem Adão poderia dizer: “Agora, este é osso do meu osso e carne da minha carne”.
 
Uma planta versus um corpo. Em João 20, os discípulos receberam o Espírito, não como um dom do pentecostes para uni-los à Cabeça no céu como um corpo, mas como o poder da vida  ressurreta e em conexão com Cristo como “uma planta” no caule ressuscitado. Houve dois eventos diferentes:
  • Em João 20, eles se tornaram uma planta com Cristo (o caule ressuscitado). Como tal, os discípulos eram “um com Ele”.
  • Em Atos 2, eles se tornaram um corpo com Cristo (a cabeça levantada). Como tal, os discípulos foram “unidos a Ele”.
Quando João fala de unidade , não se deve confundir com união no sentido da unidade do corpo de Cristo. Ele está falando sobre a nossa unidade com Cristo pela vida de ressurreição que temos no Filho. No dia da ressurreição, o Senhor soprou  vida  ressurreta nos  onze apóstolos e disse: “recebei Espírito Santo”. Eles agora eram um com Ele na vida  ressurreta, mas a Igreja ainda não havia sido formada! O batismo do Espírito aconteceu cinquenta dias depois, no dia de Pentecostes, quando os 120 crentes foram unidos pelo Espírito Santo uns aos outros e à sua cabeça no céu. A ação no Pentecostes formou o corpo de Cristo. Cristo é o princípio (ou cabeça) da criação de Deus e a cabeça do corpo. Um aspecto é o ministério de João, o outro é o de Paulo.
 
Uma família de Deus. Outra unidade foi formada, não uma unidade de natureza (espécie), e não a unidade do Corpo, mas uma unidade daqueles que desfrutam dos relacionamentos da Vida Eterna. Estamos na família e sabemos disso! Temos os mesmos interesses e objetivos, porque o Espírito Santo está dentro de nós, um “poço de água brotando” em adoração ao Pai, e também “rios de água viva” fluindo em bênção para o mundo. O desejo do Filho é: “Que todos eles sejam um; como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles sejam um em nós” ( João 17:21). Compartilhando a vida de Cristo, somos agora dados a compartilhar todos os Seus relacionamentos, embora nunca sejamos os “unigênitos”. Que graça! “Como ele [Cristo] é, também estamos neste mundo” (1 João 4:17). Maria Madalena foi a primeira a ver o Senhor depois de Sua ressurreição, e levou a mensagem com esta verdade abençoada: “Diga aos meus irmãos que subo a meu pai e a seu pai, a meu Deus e a seu Deus”. Resumindo; a família de Deus é composta por todos aqueles que compartilham os relacionamentos de Cristo, e a vida eterna é o desfrute desses relacionamentos.
 
O que realmente aconteceu em João 20:22? Muitos acham que isso foi uma “segunda vivificação” ou uma “habitação preliminar”. Nem uma das duas  são verdadeiras. João 7 nos diz que o Espírito Santo seria dado depois que Jesus fosse glorificado, não antes. É importante ver que, quando Jesus soprou sobre eles dizendo “Recebei Espírito Santo”, eles não estavam recebendo o Espírito Santo pessoalmente como no dia de Pentecostes. O artigo definido não está lá. Como outro disse, eles estavam recebendo “a energia de Sua própria vida ressurreta”. 3 Cristo estava trazendo a vida que eles já tinham ao nascer, para se identificar com Sua vida ressurreta, formando assim “uma planta”. Esta não é a habitação do Espírito, e é por isso que os apóstolos não tinham poder externo para sinais e milagres até Atos 2. De fato, eles foram instruídos por nosso Senhor a esperar em Jerusalém “até que sejais revestidos de poder de Deus no alto”. Os dois eventos foram separados na experiência dos discípulos e são simultâneos para nós que somos salvos após o Pentecostes. Mas a separação dos eventos nos ajuda a entender a diferença entre o papel do Espírito como poder de nossa vida no Filho (João 20) e a habitação do Espírito (Atos 2).

“’A lei do Espírito da vida’ é a frase do apóstolo Paulo. Esta é a própria vida, como João nos diz, que aqui nos foi dada . Se ao nascer de novo (João 3), alguém nasce da água e do Espírito, muito mais foi o recebimento do  Espírito Santo ; mas era o Espírito Santo como o Espírito da Vida. Não era o Espírito de poder externo … O que o Espírito Santo fez foi simplesmente comunicar a vida de acordo com seu poder e caráter de ressurreição através de Jesus Cristo, o Segundo homem ressuscitado dentre os mortos.”3

“O Espírito como o poder da vida em Cristo Jesus (o último Adão soprando sobre eles, como Deus soprou nas narinas de Adão o sopro da vida, devria ser fortemente essa conexão com a vida) – da vida agora deles (a mesma vida que antes, mas) em uma posição totalmente nova em um Cristo ressuscitado “.4

“A verdade da vida ressurreta em Cristo e a vinda do Espírito Santo são distintas; mas agora que ambas são cumpridas, a ordem divina é o conhecimento da remissão dos pecados e do recebimento do Espírito Santo, e, portanto, as duas são inseparáveis. Então eu sei, ou talves saiba, que estou em Cristo; considerando que o perdão conhecido anteriormente pelo evangelho é de pecados passados ​​- o que minha consciência precisava. A vida que recebemos está  em Cristo ressucitado, mas eu não estou conscientemente   maior, do que o conhecimento que está – em João 20:22, agora que o Espírito Santo é chegado , até que eu recebesse o Espírito Santo. ROM 8 os coloca inseparavelmente juntos.”5

“Então apreendemos a verdade dessa cena e ação. O que os discípulos receberam dessa maneira foi o Espírito Santo como poder da vida, correspondendo ao que encontramos em Rom. 8: 1-11; para receber o Espírito de habitação como poder, como a unção, bem como o penhor, o selo e o Espírito de adoção, eles ainda tinham que esperar até o dia de Pentecostes. E, portanto, não tinham até o Pentecostes ,até que eles foram trazidos para a plena posição cristã.”6

  1. Observe que o termo “Vida Ressurreta” não é encontrado nas escrituras, mas o princípio é. O mesmo vale para o termo, a “nova natureza”, o “arrebatamento” e muitos outros termos.
  2. “Mas o estado dessa vida (ressurreição) é modificado pela consciência daquele lugar em que é, em todos os seus relacionamentos, trazido – onde Cristo está, que o afeta em todos os seus pensamentos e afetos, de acordo com o poder de Deus. o Espírito Santo que está dentro e com ele. ” – Darby, JN Cartas de JN Darby: Volume 2, número 271, 1877.
  3. Kelly, William. Receive ye the Holy Ghost. Lectures on the Doctrine of the Holy Spirit, Lecture 5. Bible Truth Publishers, 1975.
  4. Trench, J.A. Life and the Spirit. Words of Faith 1884, p.197-221.
  5. Darby, J.N. Letters of J.N. Darby: Volume 3, number 321. Philadelphia, 1875.
  6. Dennett, Edward. Scripture Notes. The Christian’s Friend, 1888.