O Estado Intermediário Enciclopédia

Artigo principal: Milênio e Estado Eterno
Relacionados: O Abismo; Casa do Pai
 
O Estado Intermediário (Lucas 16: 19-31; Lucas 23: 40-43; 2 Co. 5: 1-8; Fp. 1: 21-23). Quando uma pessoa na Terra morre, ela entra em um estado espiritual, conhecido nas escrituras como Hades, às vezes traduzido como “inferno”. Hades não é exatamente um lugar, mas um estado. A morte é o estado do corpo sem a alma, e Hades é o estado da alma separado do corpo. A morte é física, Hades é espiritual. Hades pode ser pensado em um “lugar de espera”, em oposição a uma residência permanente. Lemos que “a morte e o hades” serão lançados no lago de fogo (Ap 20:14). Não haverá “estado intermediário” no Estado Eterno, porque não haverá mais tempo! No entanto, dentro do estado intermediário, existem dois departamentos ou condições. No relato de Lucas 16: 19-31, essas duas condições são evidentes.
  1. Tormento . Este é o Hades para os perdidos. Se o lago de fogo é como prisão, Torment é mais como uma prisão municipal. Um prisioneiro pode ser trancado em um presídio (Hades) pelo tempo que aguarda seu julgamento, mas após seu julgamento (o Grande Trono Branco), ele é lançado na penitenciária (o lago de fogo). Lemos sobre esse estado em Lucas 16:23; o homem rico “em hades erguendo os olhos, estando atormentado”.
  2. Paraíso . Este é o Hades para os remidos. Esse local de espera é chamado de várias coisas: “seio de Abraão” (Lucas 16:22), “Paraíso” (Lucas 23:43; 2 Co. 12: 4), “com Cristo” (Filipenses 1:23) e “presente com o Senhor” (2 Co. 5: 8). Para seu desgosto, o rico descobriu que havia um “grande abismo fixo” entre o seio de Abraão, onde Lázaro estava, e o lugar de tormento onde ele estava. Não sabemos muito sobre esse estado, mas certamente a característica predominante é a presença do Senhor, como sabemos pelas passagens acima mencionadas, e outras como as palavras moribundas de Estevão; “Senhor Jesus, receba meu espírito” (Atos 7:59). William Kelly definiu o Paraíso como “a parte mais brilhante do céu, com Cristo”.
Como vimos, existe um estado intermediário para o crente e o incrédulo; um de extrema felicidade, o outro de extremo tormento. A alma está consciente em qualquer lugar, e não há como passar de um para o outro. O crente nesse estado desfruta da comunhão dos santos do Antigo Testamento (Hebreus 11:40). Outras escrituras tratam do corpo durante esse período; os santos que morreram são chamados “adormecidos em Jesus” (1 Ts. 4). Em nenhum lugar lemos que a alma irá dormir (inconsciente) no estado intermediário. De Lucas 23: 40-43, aprendemos que a alma entra no Paraíso imediatamente após a morte; “hoje estarás comigo” . Em 2 Coríntios. 5: 1-8 aprendemos que a alma no estado intermediário está separada do corpo. Mas o estado intermediário nunca é apresentado ao crente como nossa esperança. De fato, em 2 Coríntios. 5: 4 lemos que não é o desejo do cristão “sermos despidos” (ser separados de nosso corpo), mas “revestidos” (com nossos corpos glorificados). Contudo, estar “com Cristo” é certamente “muito melhor” do que estar aqui na terra com nossos corpos de humilhação (Filipenses 3: 21-23), e por isso estamos “desejando” estar com o Senhor do que aqui no corpo. No entanto, os cristãos devem esperar, além do estado intermediário, o pleno gozo de nossa porção eterna!